Alagoas, Sábado, 19 de Agosto de 2017
  • Enviar e-mail
  • Facebook

Agência se torna referência no uso de design e tecnologia para resgatar memória de Alagoas

Publicado em 05 de Agosto de 2014

Com mais de dez anos de estrada (fundada em 2003), a agência Núcleo Zero já ganhou diversos prêmios de publicidade no Estado por campanhas para empresas como o Grupo Coringa, Unimed e Hospital do Coração.

Mas foi por meio da realização de documentários, exposições e outros trabalhos de audiovisual que usam design e tecnologia, que a agência liderada pelos irmãos - e dupla de criação - Werner e Weber Bagetti se tornou uma referência no resgate da memória do Estado.

“Apesar de atendermos o mercado publicitário, nunca deixamos de investir em projetos de filmes e outras produções”, diz Werner Bagetti, que dirigiu documentários premiados como Imagem Peninsular de Ledo Ivo (filme premiado sobre a trajetória do poeta alagoano), História Brasileira da Infâmia (sobre a morte do primeiro Bispo do Brasil, Dom Pero Fernandes Sardinha), e, mais recentemente, Exu – Além do Bem e do Mal.

Apesar de ele reconhecer que nem sempre essa duplicidade de atuação foi um bom negócio para a agência, a experiência da narrativa cinematográfica que alia boas imagens a um conteúdo consistente foi essencial para abrir uma nova frente de trabalho da agência que se tornou especialista na realização de exposições, memoriais, enfim, espaços públicos e privados destinados a atrair visitantes com uma linguagem visual atraente, boas histórias e tecnologia.

“A Núcleo Zero não é apenas uma referência em inovação audiovisual em Alagoas, mas uma agência reconhecida e premiada como uma das mais inovadoras na área em todo o Brasil”, diz Sérgio Moreira, ex-secretário de Planejamento do Estado e atual diretor adjunto de Educação e Tecnologia da Confederação Nacional da Indústria.  

Um dos marcos dessa nova fase da agência se deu em 2010, quando a Núcleo Zero foi convidada para produzir o Memorial Aurélio Buarque de Hollanda, em exposição permanente no Palácio dos Martírios, no ano do centenário do grande lexicógrafo alagoano. Desde então, eles produziram conteúdo gráfico e audiovisual para o Memorial Ledo Ivo (em 2011, também no Palácio), para Braskem (nos 35 anos da planta de Cloro e Soda) e para a exposição Idade da Terra, da coleção de arte popular de Tânia Pedrosa, no prédio do Iphan, onde a agência usou tecnologias como telas touch screen e realidade aumentada para visitantes terem acesso a mais conteúdo como fotos, ilustrações e mapas.

Quem quiser conhecer o mais recente trabalho da agência, terá que dar um pulo na cidade histórica de Penedo e visitar a exposição da Casa do Patrimônio na cidade, que pertence ao IPHAN. Com suporte de terminais interativos com imagens, depoimentos gravados, mapas e outros recursos, os visitantes podem conhecer os mais de 500 anos da história de Penedo – além de participarem como co-criadores colaborando com depoimentos ou imagens sobre suas impressões sobre a cidade. Após a exposição encomendada pelo IPHAN, a agência já trabalha em outra exposição na cidade do acervo da Fundação Casa de Penedo, está produzindo um vídeo sobre o economista polonês Ignacy Sachs e continua tendo uma presença forte em produções de filmes no Estado, seja por meio de produções próprias ou em co-produções com uma nova geração de cineastas locais.

E tudo isso, nunca é demais lembrar, em um Estado que no ano passado disponibilizou em editais pouco mais R$ 100 mil para ser dividido em vários projetos ligados ao audiovisual – enquanto em Pernambuco, de 2007 para cá, os investimentos do Estado na área já ultrapassaram R$ 12 milhões.



  • Ideias
  • Agenda A ideias é um espaço plural discussão de temas comprometidos com a melhoria do ambiente de negócios e da qualidade de vida dos alagoanos.

  •  
  • Turismo
  • Vídeos

© AGENDA A 2013. All rights reserved